24 anos do Dia Mundial da Água: o cenário hídrico global

Acompanhado do lançamento da Declaração Universal dos Direitos da Água, no dia 22 de março de 1992, era criado o Dia Mundial da Água pela Organização das Nações Unidas (ONU). Oficialmente o questionamento indispensável e fundamental de todos os indivíduos e todas as nações desde então, a Declaração clamava pelo “esforço conjunto de todos, por meio da educação e do ensino, em desenvolver o respeito aos direitos e obrigações” anunciados no documento. Contendo medidas, sugestões e informações, serviram para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

Passados 20 anos, a situação hídrica mundial continuava demandando urgência nas discussões sobre seu horizonte e o documento final da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável de 2012 (Rio + 20), intitulado O Futuro que Queremos, proclamava a água como o “centro do desenvolvimento sustentável”, enquanto o desenvolvimento e o crescimento econômico continuavam criando desafios à segurança hídrica para os seres humanos e a natureza.

Já em 2016, a edição do Relatório Mundial das Nações Unidas para o Desenvolvimento de Recursos Hídricos (produzido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – Unesco) ratifica a urgência da mudança de paradigmas no consumo hídrico mundial, exibindo uma perspectiva de que, em aproximadamente 30 anos, prevê-se um aumento da demanda hídrica mundial de 55%, principalmente devido à crescente demanda do setor industrial, dos sistemas de geração de energia termoelétrica e dos usuários domésticos. A indústria permanece exercendo papel fundamental no consumo global de água, prevendo-se, entre 2000 e 2050, um aumento de 400% da demanda pela indústria manufatureira. Já a agricultura, até 2050, precisará produzir globalmente 60% a mais de alimentos, compondo o cenário alarmante para os próximos anos.

O relatório traz ainda a estimativa de que mais de 80% do esgoto do mundo não é coletado ou tratado, e os conjuntos urbanos são a principal fonte de poluição pontual, reafirmando a necessidade da adoção de medidas mitigadoras do impacto do consumo na quantidade e na qualidade dos recursos hídricos. Em um dos cenários formulados, chamado de “terceiro futuro possível”, o destaque é dado para os desenvolvimentos tecnológicos na produção hídrica urbana e no manejo dos resíduos que contribuirão para a redução nas extrações de água e na produção de resíduos. Destaca que uma rápida mobilização para o aproveitamento dessas tecnologias poderá ser conjugada com um aumento na conscientização popular acerca da escassez da água.

Após 24 anos da criação do Dia Mundial da Água, a discussão sobre a situação hídrica do planeta é ainda mais urgente, os dados do cenário atual e futuro permanecem alarmantes e a adoção de medidas relacionadas ao uso racional da água torna-se cada vez mais indispensável.

Leia o conteúdo do “Relatório Mundial das Nações Unidas para o Desenvolvimento de Recursos Hídricos” da ONU, 2016. Clique aqui.

Deixe um comentário